03 setembro 2010

#Poesia: Espinheta Paixão - Dalinha Catunda


Espinheta Paixão

(Dalinha Catunda)

Dois pés de mandacarus
Em uma vereda se via.
Ali cresceram juntinhos
É assim que se noticia.
Não sei se é bem verdade,
Ou lenda que o povo cria.

O povo que passa por lá,
Fazendo sua romaria,
Diz que um, é o tal João,
O outro, é a bela Maria,
Filha de um fazendeiro
Que o namoro não queria.

Ela uma moça bonita!
João um bonito rapaz...
Que fora abatido a tiros,
Pelas mãos de um capataz.
A mando do fazendeiro,
Que nada entendia de paz.

Maria ficou desesperada,
Com a morte de sua paixão,
De posse de um punhal
Sangrou o seu coração,
E caiu em cima do moço,
Que estava morto no chão.

O velho pai desesperado
Acabou por enlouquecer.
Vendo sua filha única
Daquele modo morrer,
E teve ali o seu castigo
Porque fez por merecer.

Pouco tempo depois
Nascia naquele lugar.
Um par de mandacarus
Frente a frente a namorar.
Marco da velha história
Que eu acabo de contar.




6 comentários:

  1. Edison e Sarinha05 setembro, 2010

    A poesia de Dalinha é primorosa. Ela, que conhecemos pessoalmente, escreve com uma perfeição incrível, retratando a realidade sertaneja para todos os olhos.

    ResponderExcluir
  2. Lindíssima!
    O modo nordestino de contar histórias sempre me encantou.

    ResponderExcluir
  3. Olá Marcos,
    Mais uma vez obrigada por postar meus escritos. É um prazer grande coloborar com seu blog.

    Sarinha e Edison obrigada pelo carinho, pelo apoio ao cordel. Temos plenária dia 18 de setembro.

    Isabela, obrigada pelo comentário.
    Mei beijo a todos,
    Dalinha Catunda

    ResponderExcluir
  4. Opa!
    Chegando pra conhecer e
    ja adorando.
    Passa la no blog Espelhando e Espalhando Amigos
    e seja mais um de nos.
    Bjins

    ResponderExcluir
  5. Caros amigos,
    Deixo aqui meu depoimento quanto à capacidade dessa mulher nordestina de trazer para a literatura de cordel um dos temas mais tradicionais da história da literatura universal: o amor x desvenças familiares. Essa é a maior riqueza da literatura, a universalidade. Um romance dessa natureza acontece em qualquer família e lugar. Cabe ao bom escritor e bom poeta o poder de transcrevê-lo em sua linguagem própria. E esse poder Dalinha tem - trouxe para a caatinga um drama de amor universal.
    PARABÉNS pela publicação.
    Rosário Pinto

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Melissa.

    ResponderExcluir

Regras:
- O comentário precisa ter relação com o assunto;
- Para propostas de parcerias ou respostas sobre esse assunto, favor usar o Formulário de Contato.