06 outubro 2008

Mandacaru, sim senhor!

Mandacaru, sim senhor!
(Dalinha Catunda)

Não dou sombra nem encosto,
Mas não vejo defeito em mim.
Tenho um verde exuberante.
Meu fruto é da cor de carmim.
Minha flor esbranquiçada
Dignifica qualquer jardim.

Dono de uma beleza agreste.
No sertão enfeito caminhos.
Tenho um caule suculento,
Todo bordado de espinhos,
Entre pedras broto e cresço
Nem com a seca eu definho.

Sou um fiel representante
Do forte povo nordestino.
O verde traduz esperança,
Vermelho a grande paixão,
De uma gente que tanto adora:
Sua terra, seu mundo, seu chão.


Os espinhos são as agruras,
Do sertanejo tão sofredor.
A paz vinda com as chuvas,
Represento em minha flor.
Ninguém melhor do que eu,
O nordestino representou.


Dalinha Catunda é Acadêmica da ABLC – Academia Brasileira de Literatura de Cordel. A imortal ocupa a cadeira de numero 25 que tem como patrono Juvenal Galeno, poeta e folclorista cearense.

Veja outros cordéis de sua autoria:
A Magia das Chuvas
Ser/tão Mulher
Migrante


2 comentários:

  1. O sabiá e o gavião
    A excomunhão da vítima
    Furdunço no galinheiro
    O Pau-de-Sebo no Cabaré de Timbauba
    O boi zebu e as formigas
    O Cancão da floresta
    A Lapinha
    Desmantelos de Zé Limeira
    O Linguajar Cearense
    Todos os caminhos…
    Levando fumo
    Mandacaru, sim senhor!
    Apego de Tangedor
    A Magia das Chuvas
    Ser/tão Mulher
    Migrante
    O Plantador de Milho
    Cordel do orkut
    O Padre Henrique e o dragão da maldade
    História de Abílio e seu cachorro Jupi
    Improvisos do Cego Aderaldo sobre o tema “Como vejo Lampião”

    Related Posts with thumbnails for bloggerblogger widgets

    ResponderExcluir

Regras:
- O comentário precisa ter relação com o assunto;
- Para propostas de parcerias ou respostas sobre esse assunto, favor usar o Formulário de Contato.