11 janeiro 2011

Estudo para cordel: quando o sertão virou mar

Por Rangel Alves da Costa

Se engana, se engana seu moço, quem disser que trova é cordel, pois trova é mais pra repentista, cordel é pra menestrel. Poetas que estão na terra, poetas que estão no céu, imortais no seu barbante, por isso tiro o chapéu.

A trova é improvisada, rimando numa pisada, juntando o último verso com o que vem na estrada e se o trovador for fraco a história vira nada. Com o cordel é diferente, pois nada é de repente e tudo nasce completo, como a soleira e o batente.

Quando você for na feira, lá pras bandas do mercado, basta olhar de lado e ver o barbante esticado, preso em pegador o cordel tá estirado. Por perto tem um senhor, velho ou novo como for, mostrando o que escreveu, chamando pra ler quem não leu a história que então se deu.

Pode comprar é barato, não é brincadeira é fato, sobre o sertão há relato de tudo que aconteceu, da jibóia que cantava, do monte que estremeceu, da tarde que madrugava, da lua que se escondeu, do milagre da ceguinha e do morto que viveu.

Convide pra sua casa cordelistas de renome, encha sua estante de nome e sobrenome, gente como Cuíca de Santo Amaro, Silvino Pirauá, Leandro Gomes de Barros, Manoel D’Ameida Filho, Klevisson Viana, Chagas Batista, João Martins de Athayde, José Pacheco, José Camelo, Apolônio Alves, Francisco Sales Arêda, Arievaldo Viana, Rouxinol do Rinaré, sem esquecer dos outros, que no cordel fazem fé. E Patativa, aquele do Assaré?

Pois é, mas acabou a prosa pro café, agora é matutar sobre um assunto que há, sobre uma história dizendo que sertão vai virar mar. É coisa pra duvidar, mas um porém fui achar dizendo que a profecia aconteceu no dia-a-dia, bastando ver a agonia desse povo a lamentar que o sertão virou mar, mas um mar de coisa ruim, de tudo que podre há.

Quando o beato tristonho, disse num lamento medonho que o sertão vai virar mar e o mar virar sertão, não tava errado não, pois toda sua profecia é comprovada na razão. Mas na interpretação o homem desse sertão, mesmo acostumado com o chão, não entendeu a lição e deu outra conotação, achando que no falar está o beato a expressar que o seco vai alagar e o cheio vai secar.

O que o beato disse, e isso não é crendice, é que o sertão vai mudar. E mudou tanto e vai mudar que basta o cabra olhar o seu redor como está, tudo muito esquisito, nada mais se vê bonito, até o povo bendito está mais para pecar. Respeito não tem mais não, irmão desconhece irmão, família é pura ilusão nessa terra que hoje enterra toda a história do sertão.

E se o cabra olhar não dá para acreditar como esse sertão virou mar, mar de lama, da pior fama, de mulher de cama em cama e do marido a dizer que a mulher ainda ama. Mar de água imunda, onde o que mais abunda é a droga em cada esquina e a juventude vagabunda. Mar de água impura, com roubo por todo lado, envolvendo uma mistura de político e prefeitura.

E o sertão virou mar, não pela lição do beato, mas pelo que lá está no seu mais triste retrato. É um mar de esquecimento que a honra é o cimento e do homem o seu sustento. Mar que não molha mais, não molha a vida e nem a paz, não traz esperança, nada ele traz. Mar de causar temor, pois cada dia é o pavor que a violência seja da terra o seu motor, sem mais sossego, só o terror.

Sertão virou mar e mar de mentira, onde a verdade não mais se admira, ninguém mais crê nem no caipira, misturado que está com quem contra si conspira. E a onda que veio, levou tudo da frente, levou tudo do meio, destruindo tudo, sem o menor receio, que não reste ali nem mais o esteio. Parece o fim dos tempos naquele mundão sem fim, nascido para ser bom, destruído como ruim, sem que o próprio sertanejo se ajude um tiquinho assim.

O beato tem razão, do jeito que a coisa vai não há outra solução, o mar vira tsunami e arrasa com o sertão.

Poeta e cronista
e-mail: rangel_adv1@hotmail.com
blograngel-sertao.blogspot.com


3 comentários:

  1. Mto bom! amo literatura de CordeL! gostaria de saber escrevê-la também! grande abraço e parabéns pelo blog!

    http://artigosdehistoria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    somos três estudantes do curso de História da Unicamp e resolvemos criar um blog para diminuir a diferença que existe entre os ensinamentos escolares e universitários. Resolvemos divulgar para a mídia relacionada a esse assunto porque a ponte entre o ensino escolar e o acadêmico faz parte de diversos debates e polêmicas.
    Ficaríamos honradas se você acessasse nosso blog. Criamos nele, também, uma página com explicações simples para variados conceitos, tão importantes para entendermos os processos históricos. Criamos um twitter para divulgar as atualizações. @historiando_07
    O link é http://historiandonanet07.wordpress.com/
    Agradecemos a disposição,
    Ana Carolina Machado
    Ligia Fornazieri
    Paula de Almeida Franco

    ResponderExcluir

Regras:
- O comentário precisa ter relação com o assunto;
- Para propostas de parcerias ou respostas sobre esse assunto, favor usar o Formulário de Contato.