19 fevereiro 2009

O boi zebu e as formigas

(Patativa do Assaré)

Cenário de Patativa do Assaré
Muita gente ainda confunde poesia matuta com Literatura de Cordel. Em 2009, ano do Centenário de nascimento do poeta Patativa do Assaré, considerado o maior expoente do gênero, os admiradores do poeta precisam fazer essa distinção. Patativa, ao longo de sua vida, escreveu e publicou cerca de vinte folhetos de cordel.

Dentre os quais destacam-se: "Abílio e seu cachorro Jupi", "A morte de Arthur Pereira envenenado por sua filha Francisca Amélia", "Aladim e a lâmpada maravilhosa", "O Padre Henrique e o dragão da maldade", dentre outros, todos em linguagem correta, como é prática comum nesse gênero desde os tempos de Leandro Gomes de Barros. O grosso de sua produção, contudo, são poemas matutos, onde a linguagem procura reproduzir o modo de falar dos sertanejos de outrora, como se pode ver nesta obra a seguir:

O boi zebu e as formigas

Um boi zebu certa vez
Moiadinho de suó,
Querem saber o que ele fez
Temendo o calor do só
Entendeu de demorá
E uns minuto cuchilá
Na sombra de um juazêro
Que havia dentro da mata
E firmou as quatro pata
Em riba de um formiguêro.

Já se sabe que a formiga
Cumpre a sua obrigação,
Uma com outra não briga
Veve em perfeita união
Paciente trabaiando
Suas foia carregando
Um grande inzempro revela
Naquele seu vai e vem
E não mexe com mais ninguém
Se ninguém mexe com ela.

Por isso com a chegada
Daquele grande animá
Todas ficaro zangada,
Começou a se açanhá
E foro se reunindo
Nas pernas do boi subindo,
Constantemente a subi,
Mas tão devagá andava
Que no começo não dava
Pra de nada senti.

Mas porém como a formiga
Em todo canto se soca,
Dos casco até a barriga
Começou a frivioca
E no corpo se espaiado
O zebu foi se zangando
E os cascos no chão batia
Ma porém não miorava,
Quanto mais coice ele dava
Mais formiga aparecia.

Com essa formigaria
Tudo picando sem dó,
O lombo do boi ardia
Mais do que na luz do só
E ele zangado as patada,
Mais força incorporava,
O zebu não tava bem,
Quando ele matava cem,
Chegava mais de quinhenta.

Com a feição de guerrêra
Uma formiga animada
Gritou para as companhêra:
Vamo minhas camarada
Acaba com os capricho
Deste ignorante bicho
Com a nossa força comum
Defendendo o formiguêro
Nos somos muitos miêro
E este zebu é só um.

Tanta formiga chegou
Que a terra ali ficou cheia
Formiga de toda cô
Preta, amarela e vermêa
No boi zebu se espaiando
Cutucando e pinicando
Aqui e ali tinha um moio
E ele com grande fadiga
Pruquê já tinha formiga
Até por dentro dos óio.

Com o lombo todo ardendo
Daquele grande aperreio
zebu saiu correndo
Fungando e berrando feio
E as formiga inocente
Mostraro pra toda gente
Esta lição de morá
Contra a farta de respeito
Cada um tem seu direito
Até nas leis da natura.

As formiga a defendê
Sua casa, o formiguêro,
Botando o boi pra corrê
Da sombra do juazêro,
Mostraro nessa lição
Quanto pode a união;
Neste meu poema novo
O boi zebu qué dizê
Que é os mandão do podê,
E as formiga é o povo.


Do livro Ispinho e Fulô – Patativa do Assaré


16 comentários:

  1. Olá Marcos,
    Patativa é um dos nossos orgulho nordestino.No seu jeito matuto de versejar diz a verdade do nosso povo. Tenho paixão por dois poemas que foram transformados em musica:Triste Partida e Vaca Estrela e Boi Fubá. A primeira grande sucesso na voz do Gonzagão e a segunda da voz de Raimundo Fagner.
    Um abraço,
    Dalinha Catunda

    ResponderExcluir
  2. Oi. Selo para si no meu blog (http://golfinhoalegre.blogspot.com), passe lá quando lhe der jeito.
    Muito sucesso!

    Melhores cumprimentos

    ResponderExcluir
  3. Patativa é mesmo o nosso maior orgulho, adoro o Boi Zebu e as Formigas.Cantada pelo Mastruz com Leite e Patativa fica melhor ainda.
    Danielle,Piranji/Ibaretama.

    ResponderExcluir
  4. Adoro Cordéis, gosto muito dos escritos do Patativa, o blog está de parabéns! grande abraço

    ResponderExcluir
  5. O boi zebu e as formigas é um poema que retrata a força do nosso povo nordestino que mesmo tão sofrido, não custuma desistir e Patativa do Assaré retratava em versos esta força

    Israell Cearense

    ResponderExcluir
  6. O Estado do Ceará e especialmente a Cidade de Assaré, teve o privilegio de ter um dos Cidadãos mais ilustres dentre outros de renomes nacionais.
    O Patativa como é popularmente conhecido, fez da Banda Mastruz Com leite uma das melhores Bandas de Forrró do Mundo graças ao seu Poema uma obra prima da Literatura Mundial.

    ResponderExcluir
  7. Quantas saudade desse poeta maravilhoso, que com estes poemas e cordeis nos abrilhantava. pParabéns poeta. te sigo viu. POESIS EM FOCO e TROVANDO , meus BLOG'S VEJA SE GOSTA.

    ResponderExcluir
  8. Não Gosto muito de Literatura mais com certeza da gosto de ler as poesia de Pativa do Assaré

    ResponderExcluir
  9. olha não era fã de cordel mas quanto conhçi

    ResponderExcluir
  10. Adoro todos os seus poemas todo dia eu leio.Antes eu nem era muito afim de cordel mas depois q eu peguei uma profesora ela me inspirou agora eu adoro cordel.Mas esse blog esta de parabens eu adorei

    ResponderExcluir
  11. credo que coisa ruim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. se vc acho ruim vai le outra coisa se ngosta e so nao comenta boco

      Excluir
  12. Patativa do Assaré marcou uma época boa no nordeste brasileiro, com seus poemas únicos e perfeitos.

    ResponderExcluir
  13. johny maia25 maio, 2012

    Sou fã de Patativa, desde de quando ouvi seu poema pela a primeira vez,tive o prazer de ve-lo pessoalmente em um festival de viola aqui em Quixadá, não recordo o ano.E meu maior sonho é conhecer a serra de Santana em Assaré,lindo poema que nos traz uma lição,e que deviamos seguir o exemplo das formigas.Patativa o insubistituivel.

    ResponderExcluir
  14. isso e orrivel era pra nos termos aula de matematica agora mas nos estamos temos aula de lingua portuguesa agora eu quero matematica

    ResponderExcluir

Regras:
- O comentário precisa ter relação com o assunto;
- Para propostas de parcerias ou respostas sobre esse assunto, favor usar o Formulário de Contato.