25 novembro 2008

Escravos de Jó jogavam caxangá?

A cantiga popular todo mundo conhece:

"Escravos de Jó, jogavam caxangá

Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar...

Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá

Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá...
"

Mas você sabe quem era Jó? Por que ele tinha escravos? Que jogo caxangá é esse?

Jó é um personagem bíblico do antigo testamento que possuía uma grande paciência. Dai a expressão "Paciência de Jó". Segundo a Bíblia, Deus apostou com o Diabo que Jó, mesmo perdendo as coisas mais preciosas que possuía (filhos e fortuna) não perderia a fé.

Nada indica que Jó tinha escravos e muito menos que jogavam o tal caxangá. Acredita-se que a cultura negra tenha se apropriado da figura para simbolizar o homem rico da cantiga de roda. Os guerreiros que faziam o zigue zigue zá, seriam os escravos fugitivos que corriam em ziguezague para despistar o capitão-do-mato.

O mais difícil de entender é o que seria o caxangá. Segundo o dicionário Tupi-Guarani-Português, a palavra vem de caá-çangá, que significa "mata extensa". Para o Dicionário do Folclore Brasileiro, é um adereço muito usado pela mulheres do estado de Alagoas. A verdade é que a cantiga vem sofrendo e ainda sofre modificações em seus versos de estado para estado. Afinal de contas, o correto seria deixarmos o Zambelê ou o Zé Pereira ficar?


31 comentários:

  1. Olá Marcos,
    Dei um pulinho até o Ceará, ms já estou aqui para apreciar suas postagens. De texto em texto vamos enchendo nosso baú cultural as suas custas. 'Escravos de Jó" acompanhado de suas explicações fica bem mais interessante.
    Saudades!!! um abraço carinhoso
    Dalinha Catunda

    ResponderExcluir
  2. Oi Dalinha, percebi sua ausência. Que bom que esteja de volta! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Jó foi no seu tempo o que foi para nós Rockfeller, Bill Gates e qualquer xeique árabe: rico até não poder mais!
    Mas ele também entrou pelos canos...e voltou a ser rico novamente pela graça de Deus...

    ResponderExcluir
  4. Quanta cultura numa cantiga de roda, e para não dizer mistério também.Pelo que entendi houve uma mescla da cultura negra com a bíblica.Será que esta cantiga não foi criada por alguma mucama e asinhá moça a repetiu ?Jesus,Maria e José, já estou viajando !
    parabéns pelo post
    abraços

    ResponderExcluir
  5. Nunca tinha parado para pensar, gostei das explicações.
    Abs
    Lisa

    ResponderExcluir
  6. Marcos, temos uma das melhores culturas em relação a nossa história, e claro que voçê foi muito feliz em seu post. Jó foi dentre os personagens bíblicos o que mais demonstrou sua fé, com sua paciência de Jó.O restante deve ser o que mecionou , obra da paciência de nosso povo.

    Abs.

    Nuzzi.

    ResponderExcluir
  7. Eu acho que o Jó da canção pode ser algum senhor de escravos que tinha esse nome. Não precisa ser necessariamente o Jó da bíblia. Enfim, a música é ótima mas a letra é totalmente sem sentido, mas vale pela ciranda, pela brincadeira.

    ResponderExcluir
  8. Essas histórias de lendas e ditos populares são interessantes. Dependendo do povo, a história pode se modificar. E aí, acabamos tendo mais de uma versão para uma mesma cultura. Adorei a história! Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Aqui na Bahia a gente canta deixando o Zabelê ficar e não o Zé Pereira.

    ResponderExcluir
  10. Pena que hoje em dia poucas crianças conhecem essa e outras cantigas do nosso folclore. Beijo

    ResponderExcluir
  11. Bacamarte apaixonado

    Vou vestir minhas roupas de zuarte
    E zoar junto com os mamulengos
    Armado com meus bacamartes
    Vou seguir os zabumbeiros
    Vem bumba-meu-boi
    Bumba
    Que hoje eu quero ma acabar
    Depois da vaquejada
    Na quadrilha matuta
    A dança do coco
    Eu vou dançar
    Mais tarde
    No forró de Mané Vito
    Vou arrastar meu pé no chão
    Com o som do sanfoneiro
    Vou fazer o meu baião
    Amanha é dia de reis
    Vou no pastoril cantar o meu reisado
    Depois na ciranda
    Vou deixar o meu recado
    Pra mulher que tanto amo
    Vou declamar o meu cordel
    Meu amor, minha rainha
    Já tô com saudade
    Do teu beijo e do teu mel............

    Sandro Kretus

    O andarilho da terra do fogo
    http://recantodasletras.uol.com.br/e-livros/1346801

    ResponderExcluir
  12. Biel é um menino doente... na dramatização realizada dentro do municipio biel foi o cachangá... mais era uma peça gay então era o gay q só levava.

    ResponderExcluir
  13. Pois é...
    Muita história para uma simples cantiga de roda.
    E olhem que já tem mais de 100 anos!
    Sou mais a favor de ser uma cantiga trazida pelos
    escravos de Africa do que uma exportação lusitana.
    Os sofridos africanos não trouxeram somente a
    religiosidade nativa para as senzalas lusitanas,
    trouxeram também cantigas de roda, pois milhares
    de crianças africanas foram vítimas da hodionda
    prática escravagista.
    Escravos ou não as crianças brincavam!
    O tal Zé Pereira chegou em bonde atrazado e num
    dia de Carnaval, nada a ver com Jó...
    E de tanto pesquisar tenho minhas conclusões:
    Não é uma cantiga mineira nem brasileira, apesar
    de brejeira...
    Caxamgá pode ter sido uma expressão cuja escrita
    se perdeu pelo tempo.
    Sem essa de ser tupi-guarani!
    Seu significado, pela ação da cantiga de roda me
    parece ser uma bolsa em que os guerreiros jogavam
    de um para o outro, deixando do tal de "zambelê" tentar recuperá-la.
    (Coisa assim como fazemos um jogo com bola de futebol, numa roda, onde um "bobo" tenta recuperar a bola que passa alternadamente de um
    para o outro na roda).
    Quem encontra uma similaridade para o tal "jogar
    bôbo" com a bola?
    Escravos podem ter sido de Jó, sim, pois o patriarca bíblico tinha uma família muito grande
    e havia um sistema de se vender escravos naquela
    época que eram aceitos como serviçais, havia um
    conceito diferente para a palavra escravo também.
    O fato de Jó ser paciente e bom faria dele um homem piedoso até para pessoas que se agregaram a
    sua familia como "escravos".
    O zambelê pode ter sido aquele que guardava numa mochila ou bolsa, os "caxás" ou seja, moedas ou
    jóias miudas obtidas como lucro das caravanas de
    comércio na época de Jó, ou produto de soldo de
    guerra.
    Então gente, vamos brincar de jogar Caxambá, sem
    passarmos de bobos e sem outros adjetivos que só dão desméritos a uma brincadeira tão alegre e inocente!

    ResponderExcluir
  14. Olá Pessoas!
    Pelo licença para poder participar neste diálgo.
    Pesquisando materila para meu plano de aula, encontrei esta xplicação para esta música, o endereço esta loga abaixo.
    Boa Leitura:

    http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070208045136AAMU15f


    Estava eu tranquila lendo um livro quando me deparo com alguma referência a paciência de Jó. Me lembrei quando um amigo tinha perguntado o que tinha a ver a paciência de Jó com os escravos de Jó.

    ...a história da paciência de Jó é bíblica!...
    Resumidamente, Jó era um servo bom e fiel a Deus. Um dia o diabo lançou um desafio para Deus, dizendo que se ele tirasse tudo Jó tinha, ele não continuaria sendo um servo fiel. Deus aceitou o desafio e deixou que o diabo tirasse tudo de Jó, menos sua vida. E no final das contas o diabo se dá mal porque Jó mesmo todo fud*** continua fiel a Deus.

    Final surpreendente não? Mas e os tais escravos de Jó? Que raios tem a ver com isso?

    Aparentemente nada. Talvez a ligação mais próxima fosse da mãe desse Jó que tinha escravos, que queria que seu filho fosse paciente e lhe deu esse nome em homenagem a história bíblica.

    O mistério continuáva… quem seriam esses escravos? E o que raios seria esse Caxangá que eles jogavam? Algo equivalente a cartas? Dados? Jogo de tabuleiro? Em nova pesquisa descubro que os escravos eram grandes jogadores e que os Quilombos eram na verdade Cassinos disfarçados. Entre os jogos preferidos dos escravos estavam “Chibatada”, “O Tronco” e a “Grande Fuga”, este último criado pelo célebre jogador Zumbi dos Palmares.

    E o que seria Zambelê? Seria o apelido de Zé Pereira? Por que algumas versões da música possuem esse nome? Teria Zambelê alguma coisa a ver com Zabelê (segundo o dicionário um pássaro)? E por que raios os escravos queriam que deixassem esse/isso ficar!?!?? Enfim, muito mistério em uma música só.

    Segundo o Deus da minha religião (Google), a teoria mais aceita sobre a música dos “escravos de Jó”, é que ela é um ode ao homossexualismo.

    “A cantiga viria dos acampamentos militares espartanos, famosos por incentivar namoros entre seus soldados, que assim lutariam com mais bravura. Esses soldados eram normalmente recrutados entre os escravos. Jó teria sido um famoso general, amante de Péricles numa das mais belas páginas da história antiga devido à rivalidade entre suas cidades. Ele escrevera alguns livros, hoje perdidos, estabelecendo a relação entre guerra e homossexualismo.

    “O verso Escravos de Jó jogavam caxangá significava que os escravos sexuais de Jó faziam brincadeiras entre eles. Caxangá, em grego vulgar arcaico, era uma dança sensual, vinda da Turquia, em que os órgãos sexuais dos dançarinos se tocavam.” Ou seja, além de Cassinos os Quilombos eram aspirantes à “Casas da Luz Vermelha”.

    “Tira, bota deixa o zambelê (ou Zé Pereira) ficar - referência clara à penetração e à necessária permissão da parte passiva.” Lembrando que zabelê é um pássaro e que o membro necessário a penetração é comumente associado a nomes de pássaros, como por exemplo o filho da galinha.

    “Guerreiros com guerreiros fazem zig-zig-zá — novamente, referências aos jogos sexuais; aqui está configurada uma orgia, realizada alegremente nos acampamentos dos valorosos espartanos.” Já nessa parte eu discordo, associando o zig-zig-zá não à um jogo mas sim ao movimento realizado pelos escravos no momento do ato.

    Adorei sua pergunta, Tenha um ótimo dia!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa foi a explicação mais idiota que eu já li.
      Santa ignorância!

      Excluir
    2. No grego vulgar arcaico nunca houve palavra semelhante a "caxangá", muito menos um modo com que ela rimasse com "deixa o zambelê ficar" nesse idioma, seja qual for a ordem das palvras no verso.

      Excluir
    3. Vamos pensar um pouco. Se zambelê, ou zabelê, é um pássaro e sabendo que esse nome foi dado ao animal por negros africanos no Brasil (para isso pode usar o Google), como esse nome foi parar na Grécia medieval? Talvez um deles tivesse desenvolvido uma máquina do tempo, mas aí haveria outro problema: percorrer todo o caminho até lá.

      Excluir
    4. Se o dicionário é o pai-dos-burros, o Google parece ser o deus-dos-burros também. Ana Margarida, acho que você precisa fazer um curso de como pesquisar no Google. Vou dar a primeira lição grátis, nem tudo que está na internet é verdade. Você precisa filtrar o conteúdo, verificar as fontes, ter discernimento; do contrário, o resultado é isso que você escreveu, uma piada.

      Excluir
    5. Eduardo Alves20 fevereiro, 2013

      Licença a todos, segue abaixo minha contribuição:

      Caxangá - tipo de jogo com pedrinhas ou ifá para tirar a sorte de quem seria o escolhido ou escolhidos à fugirem para o quilombo
      Tira - os escravos que seriam tirados da senzala naquela noite de fuga
      Põe - seria posto ou colocado em rota de fuga
      Deixa ficar - ao jogar essas pedrinhas, as que sobravam seriam os escravos escolhidos para vigiar durante as fugas.
      Guerreiros com guerreiros - escravos guerreiros filhos de pai José, reprodutor e guerreiro que lutava pela liberdade dos irmãos.
      Fazem Zigue-Zigue-Zá - andavam e corriam em zigue-zague para escapar e confundir os capitães do mato durante a caçada aos fujões
      tirado do site abaixo:
      http://luzdeluma.blogspot.com.br/2008/10/importando-o-folclore.html
      Já ouvi também que numa das traduçoes da lingua Uruba zabele é escravo velho mais guerreiro.

      Excluir
    6. Eduardo Alves20 fevereiro, 2013

      Segue minha contribuição abaixo:

      Caxangá - tipo de jogo com pedrinhas ou ifá para tirar a sorte de quem seria o escolhido ou escolhidos à fugirem para o quilombo
      Tira - os escravos que seriam tirados da senzala naquela noite de fuga
      Põe - seria posto ou colocado em rota de fuga
      Deixa ficar - ao jogar essas pedrinhas, as que sobravam seriam os escravos escolhidos para vigiar durante as fugas.
      Guerreiros com guerreiros - escravos guerreiros filhos de pai José, reprodutor e guerreiro que lutava pela liberdade dos irmãos.
      Fazem Zigue-Zigue-Zá - andavam e corriam em zigue-zague para escapar e confundir os capitães do mato durante a caçada aos fujões.

      tirado do site abaixo:
      http://luzdeluma.blogspot.com.br/2008/10/importando-o-folclore.html

      Já ouvi também que numa das traduçoes da lingua Uruba zabele é escravo velho mais guerreiro.

      Excluir
  15. Muito bom,me ajudou muito no trabalho da escola..=D

    ResponderExcluir
  16. O que a Ana disse é uma possibilidade que não pensei, mas discordo que os quilombos sejam "cassinos" é um reducionismo fraco perto da multiplicidade cultural que compunha os quilombos. Além disso, a cantiga é muito arraigada as tradições culturais brasileiras, principalmente por alforros e sujeitos das classes mais baixas, portanto estariam mais próximas do legado africano do que grego e erudito das camadas mais altas. Também pode-se considerar o fato de que o processo de colonização no Brasil se inicia em um período da Europa que não há fortemente a retomada da antiguidade, como no Renascimento.

    ResponderExcluir
  17. quando eu era criança, a gente "cantava Escravos de Jó jogavam caxangá tira bota, deixe com guerreiro ficar, com guerreiro com guerreiro faz zigue zigue zá... Lá se vão mais de 53 anos em Jacarepaguá-RJ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Peço licença para adentrar a essa discussão que achei muito boa.Pelas minhas pesquisas , pois estou fazendo um trabalho sobre a África com meus alunos, caxangá significa "jogo realizado em círculo" ( segundo a revista Projetos Escolares e alguns outros artigos). Um abraço a todos.

      Excluir
  18. pelo que sei escrovos de Jó era uma cantiga cantada pelos negros nas senzalas para dizer que iriam fugir. escravos de só= tenhas paciência, jogavam caxanga= se organizem uns com os outros, tira bota deixa o Zé Pereira que se va= tomar cuidado com as atitudes para não despertar suspeita, gurreiro com gurreiro fazem zig zig za= todos iriam sair juntos e se separar na mata andando rapido em muitos lugares até chegar no obijetivo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima resposta, esta sim é a correta.

      Excluir
    2. Sua resposta sobre o jogo escravos de Jó esta correta.

      Excluir
  19. Gente, pelo amor de Deus vamos pesquisar melhor as coisas para não aprendermos coisas equivocadas.
    Essa canção tem origem nas NEGRAS DA CASA GRANDE, mais conhecidas como AMAS DE LEITE que trabalhavam nas casas grandes na época da escravidão. Essa cantiga folclórica era usada pelas AMAS DE LEITE como cantiga de NINAR.

    ESCRAVOS DE JÓ, JOGAVAM CAXANGÁ
    TIRA, BOTA, DEIXA O ZAMBELÊ ENTRAR
    GUERREIROS COM GUERREIROS FAZEM ZIGUE,ZIGUEZÁ

    A cantiga é uma mescla de língua portuguesa com a língua africana. Jó, em um dos dialetos africanos significa CASA, se referindo aos escravos que trabalhavam na CASA GRANDE. CAXANGÀ são búzios e por aí vai. Portanto o JÓ à que a música se refere não tem nada a ver com o JÓ da BÍBLIA que é outro.

    ResponderExcluir
  20. Só uma coisa, pode até ser que a canção "Escravos de Jó" não tenha nada a ver com o Jó da Bíblia MAS,

    O JÓ DA BÍBLIA TINHA ESCRAVOS:

    Jó 1:3:
    Possuía sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de bois, quinhentas jumentas e uma grande quantidade de escravos. Este homem era o mais considerado entre todos os homens do Oriente.

    Jó 1:
    15 De repente, apareceram os sabeus e levaram tudo; e passaram à espada os escravos. Só eu consegui escapar para te trazer a notícia.
    16 Estando ele ainda a falar, veio outro e disse: O fogo de Deus caiu do céu; queimou, consumiu as ovelhas e os escravos. Só eu consegui escapar para te trazer a notícia.
    17 Ainda este falava, e eis que chegou outro e disse: Os caldeus, divididos em três bandos, lançaram-se sobre os camelos e os levaram. Passaram a fio de espada os escravos. Só eu consegui escapar para te trazer a notícia!


    Jó perdeu tudo, até os escravos que tinha, e permaneceu fiel a Deus. Essa é a história biblica. Algumas traduções da bíblia dirão "servos" mas sabe-se que naquela época a escravidão era prática comum, e "Deus" inclusive era condescendente.

    Quanto a origem da canção, eu acho bem difícil chegarmos a resposta correta.

    ResponderExcluir
  21. Me Chamo Jó Faldin hoje tenho 32 anos e sempre ouvi essa canção e nunca ninguém soube me explicar qual o significado dela. O pior é as pessoas que não te conhece e que quando eu falo meu nome já pergunta na hora "Você já ouviu aquela canção? ♪♪♫ Escravos de Jó ♪ Jogavam...♪♪♫" ou Quando não tem aquelas que me pergunta tbm " Você ja ouviu a história de Jó, vc sabe quem foi Jó?? Haja paciência de Jó viw kkkk

    ResponderExcluir

Regras:
- O comentário precisa ter relação com o assunto;
- Para propostas de parcerias ou respostas sobre esse assunto, favor usar o Formulário de Contato.